OPINIÃO

Góis e a motard sem moto

É sempre uma aventura ir a Góis, desde a viagem de ida à viagem de volta. 

Leitores AdM @ 24-8-2014 20:56:50

Mesmo de carro, não tenho moto mas vou ter..., é sempre a curtir as curvas da Estrada das Beiras e depois na N2 que é um traçado de muita sabedoria acumulada, pois, segundo dizem, as suas origens remontam à idade média. Idade média?! Não é meia-idade?! Ah não, isso é outra coisa! Lá chegarás… 

Chegas a Góis e a sensação é uma explosão de adrenalina, ansiedade misturada com a esperança de que tudo corra bem! E não é que corre... bem e depressa! Carregas as coisas até ao recinto, montas a tenda ou então deixas isso tudo por fazer, porque o que realmente queres é ir curtir com quem já lá está! 

Este ano fui na quinta-feira (14 Agosto 2014, para que conste) para ver e ouvir Led On, mas ouvi de longe e pouco vi... a minha tenda era nova e perdi um pouco mais de tempo, culpa do panfleto de instruções, nada mais! Depois de tudo arrumado, lá vamos nós (nós?!... mas a tenda ficou!) fazer a grande e triunfal entrada: a passagem da ponte, a chegada à tenda electrónica, as luzes, o palco, os amigos e claro, a cerveja, daí é que não podes fugir muito; podes, mas não tem graça!!! 


Acho que o primeiro dia é sempre o "pior", as "desgraças" são sempre maiores, como se fosse acabar o mundo e a cerveja!... Não! Tenho a certeza! É o dia declaradamente das “desgraças”, pelo menos das minhas! Depois nos outros dias é tudo mais calmo, mais ponderado! Porque será?! Mas é no primeiro dia que te divertes mais, conheces muita gente, estás em comunidade, todos os que te rodeiam são amigos, alguns temporariamente, é certo, mas amigos. Naquele momento estamos todos a curtir a "cena" e o "espírito" de Góis, porque "Em Góis tá-se bem"! E eu confirmo!

Após tudo aquilo que riste, dançaste, pulaste e bebeste vais para a tenda, levas sempre pijama mas raramente o vestes. Ao fim de duas horas de merecido descanso acordas com toda a gente a conversar na comunidade, em tempos conhecida pela "FarmVille". O peso da cabeça pode ser muito e é muito, mas a alegria continua espelhada no teu sorriso e mantêm-se, mesmo quando vais para o banho fresquinho (versão carinhosa), há mesmo quem o apelide de frio! Sim, ao banho! 

Os dias passam-se resumidamente entre o recinto, a Vila e o rio, e repete-se isso várias vezes. Dás uns mergulhos no rio para o peso da cabeça diminuir, são umas águas abençoadas, ou aproveitas e dormes numa sombra qualquer, ou sentas-te no bar da praia a beber água, no meu caso (!), ou…


No final de cada dia passado na praia das focas, regressas à tenda para o banhinho maravilha, vestes a roupinha da festa e lá vamos nós em romaria para o jantar da comunidade. E depois?! Tenda electrónica até sabe-se lá a que horas, ou melhor, até fora delas…

Este ano para mim acabou mais cedo por compromissos familiares tendo regressado no sábado de manhã. Mas acham que isso me estragou a festa? Sinceramente não. Adorei! Há muito que não vinha com a sensação do chamado "dever cumprido", "papinho cheio" e de coração a transbordar! Ir a Góis é sempre uma aventura e uma aventura tem sempre pequenos detalhes. Este ano, no regresso, vinha eu “em propósitos” que não calhava nada bem parar e sair do carro, quando apanhei uma operação stop, em Caracol, ali para os lados do código postal 3330-413 Vila Nova do Ceira, mas pronto, não tem problema, pertence a Góis e "Em Góis tá-se bem".
Ah! Já agora, “em propósitos” não é nada disso que estão a pensar, resume-se apenas e só ao facto de gostar muito de conduzir e muito confortável, tipo despreocupada e desapertada!
Até para o ano, em Góis está claro!
Ana Ramos *
* Leitora do andardemoto.pt

Nota: enviem as vossas "estórias", contos, crónicas... sobre os mais diversos temas.  contacto@andardemoto.pt

Leitores AdM @ 24-8-2014 20:56:50


Clique aqui para ver mais sobre: Histórias sobre Motoclubes